O tratamento para a condição da calvície de padrão masculino, ou alopecia androgênica, percorreu um longo caminho.

Os métodos para ocultar a calvície costumavam consistir em vestir chapéus. Eles então progrediram, e consistiam no uso de alguns tipos de perucas. Pentear fios saudáveis sobre áreas calvas se tornou uma técnica da qual os homens calvos se tornaram adeptos. Vieram então os produtos criados especificamente para combater a queda de cabelo. Eles variavam desde diferentes tipos de shampoo, a cremes hidratantes e produtos para ocultar a calvície, que prometiam a mesma coisa, contudo a maioria falhava quanto a fornecer os resultados esperados. Medicamentos também foram desenvolvidos para prevenir a queda de cabelo, e esperava-se que eles revertessem sua progressão. Existem alguns que funcionam comprovadamente, e são até respaldados pela aprovação da Food and Drug Administration (o órgão governamental dos Estados Unidos da América responsável pelo controle dos alimentos e medicamentos). Os cientistas foram capazes de superar os limites quanto a cobrir fisicamente a calvície alcançando a criação de soluções tópicas. Elas progrediram até chegar aos medicamentos ingeridos oralmente, e agora foram desenvolvidas soluções cirúrgicas.

O tratamento mais avançado e efetivo para a queda de cabelo do momento é a cirurgia de transplante capilar. Um dos métodos mais populares é o método de transplante de unidade folicular (TUF), ou o “método de tira”.

O tratamento mais avançado e efetivo para a queda de cabelo do momento é a cirurgia de transplante capilar. Um dos métodos mais populares é o método de transplante de unidade folicular (TUF), ou o “método de tira”. O especialista retira uma porção de folículos capilares saudáveis da área de doação do couro cabeludo, extrai os folículos da tira e posiciona cada um deles na área receptora. O outro método é chamado de extração de unidade folicular (EUF). O que o especialista faz quanto a este método é remover os folículos capilares individuais saudáveis da área de doação do couro cabeludo, ou folículos dos pelos do corpo, ele depois os reimplanta na área calva. O que acontece quanto a ambos, o TUF e a EUF, é o reposicionamento dos folículos capilares já existentes do paciente.

E existe também o procedimento de micropigmentação capilar vinci (MPC). A forma como este tratamento funciona lembra o processo de obter uma tatuagem, contudo ele é um procedimento muito mais complicado e refinado que isso. Há um processo bem técnico envolvido, que o diferencia da tatuagem, que é uma forma de arte, a MPC é uma ilusão. Ele usa tintas especiais que são injetadas diretamente no couro cabeludo usando agulhas com três pontas bem finas que as depositam criando um padrão pré-selecionado que lembra cabelos reais.

Os tratamentos antigos e os disponíveis atualmente têm sido discutidos para que se obtenha uma melhor compreensão do futuro da indústria dos tratamentos para a queda de cabelo. A clonagem capilar, em teoria, é um método no qual os folículos capilares de uma pessoa são clonados ou multiplicados in vitro. Em outras palavras, as propriedades germinativas dos cabelos de uma pessoa são recriadas fora do seu corpo em quantidades ilimitadas, os cabelos são então implantados como novos fios no couro cabeludo do paciente. O que isso fornece é um suprimento sem fim de cabelos para a pessoa que se beneficiará dele. Ela não precisa coletar seus próprios fios de diferentes áreas de doação de seu couro cabeludo, ou pelos de seu corpo. Isso é, contudo, o que se espera que a clonagem capilar se torne. Ela ainda não chegou lá, e é improvável que chegue por muitos anos.

O desafio quanto à clonagem capilar é que os folículos são organismos completos. Eles não podem crescer sozinhos e são um tanto complexos. Houve uma cirurgia bem sucedida que foi realizada na qual a parte mais baixa e saudável do folículo capilar foi extraída de um homem e foi implantada no couro cabeludo de uma mulher, e ela foi capaz de formar novos fios. Contudo, isso não é exatamente clonagem capilar. Os cientistas ainda precisam descobrir que componentes foliculares precisam ser isolados para produzir os melhores fios, se estas células podem de fato ser cultivadas fora do corpo para serem clonadas e se elas podem ser implantadas no couro cabeludo da pessoa que se beneficiaria delas. Além disso, os fios clonados podem não assumir as propriedades do couro cabeludo do cliente.  Eles podem crescer em direções diferentes e cair depois de alguns meses, sem que possuam a habilidade de crescer novamente.

É verdade que ainda há muito a ser descoberto quando se trata de clonagem capilar. O importante é que há uma progressão positiva na direção certa. Os avanços do tratamento para a calvície de padrão masculino, desde usar um chapéu até possivelmente ter os cabelos de uma pessoa clonados, parecem ser bem reais, algo que ocorrerá em um determinado momento, mas pode levar muitos e muitos anos até que esta teoria se torne uma condição viável e realmente segura.

O que é a clonagem capilar?